Glutamina e Atividade Física

A glutamina é o aminoácido mais abundante no corpo humano encontrado em grande quantidade no tecido muscular.

Classificada como um aminoácido condicionalmente essencial, representa cerca de 20% do total dos aminoácidos no corpo humano e pode ser sintetizada pelo organismo.

Dentre suas principais funções para os indivíduos que pra ticam atividade física podemos citar:
- regulação da síntese protéica;
- inibir catabolismo muscular;
- estocagem de glicogênio após o exercício;
- tamponamento do pH sanguíneo;
- participação da função imune e de células intestinais.

Em algumas condições com esforço físico intenso, a concentração intracelular e plasmática desse aminoácido diminui em até 50%. Sendo assim, com uma demanda maior que a produção, estabelece-se um quadro de deficiência.

Ao longo do tempo, surgiram várias evidências de que a glutamina possui propriedades metabólicas importantes, sendo constatada a correlação entre a sua concentração intramuscular e a síntese de proteína.

Durante o exercício físico, ocorrem modificações no metabolismo energético-muscular, variando de acordo com a intensidade e duração do esforço. Autores relatam que os exercícios de resistência são os que mais se beneficiam da utilização da substância, principalmente no período pós-esforço, onde objetiva-se a recuperação. O treinamento, por sua vez, provoca adaptações que permitem uma maior tolerância à intensidade e tempo do esforço, dependendo do mecanismo metabólico envolvido. A intensidade e duração do exercício são determinantes para a fonte de substrato a ser preferencialmente utilizado. Em exercícios de curta duração e intensidade alta temos a preferência de glicose, sendo o seu consumo e produção de ácido lático predominantes. Já para os exercícios de longa duração e intensidade baixa ou moderada, são utilizados também os ácidos graxos e aminoácidos.

No papel modulador na síntese protéica, a glutamina parece estar relacionada à regulação metabólica desempenhada pelo estado de hidratação celular, promovida pela entrada do aminoácido na célula, que serviria como um estímulo para a síntese e/ou inibição da degradação protéica e do glicogênio muscular resultando em maior hipertrofia muscular.

Outro aspecto muito comentado a respeito da substância é o seu papel na função imune. Treinamentos intensos e exercícios prolongados, associados com períodos de recuperação insuficientes, são freqüentemente relacionados à depressão da função imune e a maior incidência de infecções das vias respiratórias. Isso ocorre devido à diminuição na concentração plasmática de glutamina, não apenas durante o exercício, mas também por um longo período denominado "período de janela aberta", pois o estresse promovido pelo exercício parece ser o fator de desequilíbrio entre a produção/liberação e captação/utilização da glutamina, favorecendo o aparecimento desas infecções.

Em condições normais, a glutamina é produzida e liberada pelos músculos em quantidade excedentes àquelas utilizadas pelos linfócitos. Contudo, o treinamento pode induzir alterações no processo de síntese da substânica nos músculos esqueléticos, diminuindo a disponibilidade desse aminoácido para as células do sistema imune, podendo provocar imunodepressão, tornando os atletas mais susceptíveis a processos infecciosos.

Os estudos até então realizados com a suplementação de glutamina indicam que sua utilização deve se dar antes, durante e após o exercício, a fim de reverter a diminuição da sua concentração plasmática decorrente do estresse provocado pelo exercício físico. Dosagens que vão de 2 a 5g/ dia, têm demonstrado eficácia na prevenção de infecções e redução do catabolismo.


REFERÊNCIAS:
- Spruce, N, Titchenal, A., An Evaluation of Populat Fitness-Enhancing Supplements, Evergreen Comminications, 2002, 173-175..
- Mc Ardle, W.D., Katch, F. I., Sports and Exercise Nutrition, Lippinkott Williamns & Wilkins, 1999.
- Gibala, M.J. (2000). Nutritional supplementation and resistance exercise: What is the evidence for enhanced skeletal muscle hypertrophy? Can. J. Appl. Physiol. 25:524-35.



Nutricionista Ricardo Sodré



Sócio-diretor da Nutconsult
Pós-graduado em Nutrição e Atividade Física/UERJ
Especialista em Nutrição Ortomolecular
Nutricionista UERJ / SEAP