Prevenção e tratamento nutricional da Candidíase


A candidíase é chamada de epidemia escondida, sendo por isso muitas vezes sub diagnosticada.

A cândida afeta não só mulheres, como homens e crianças.

A cândida albicans é um fungo, que tem como habitat principal o sistema digestivo humano. Todos nós temos várias bactérias e fungos como a cândida habitando em harmonia no nosso intestino, constituindo a nossa microbiota intestinal. O uso de antibióticos, quimioterápicos, antiácidos, esteróides, progesterona, pílulas anticoncepcionais e cortisona, assim como o estresse, a diabetes mellitus, e a hipoglicemia, entre outros distúrbios metabólicos pode provocar a quebra deste equilíbrio, sendo desencadeadores da proliferação da cândida.

As pessoas mais suscetíveis à cândida são aquelas alérgicas, com má digestão, aquelas com infecções virais, síndrome da fadiga crônica, câncer, ou que tenham um histórico de uso crônico das drogas mencionadas. A cândida é mais encontrada em determinados tipos de personalidade como naquelas pessoas que se doam, que buscam a perfeição, estressadas, workaholik, com baixa auto-estima e que querem se manter muito magros. Todas estas características, doenças e estresse têm em comum o fato de provocarem uma diminuição da função do sistema imunológico, deixando-nos muito mais suscetíveis ao supercrescimento da Cândida. A sua recorrência também está relacionada a períodos de baixa imunidade e baixa energia corporal, uma vez que um organismo fraco é um ótimo ambiente para o rápido crescimento deste fungo.


SINAIS E SINTOMAS

A cândida e outros fungos produzem toxinas, que no organismo humano podem atingir a corrente sanguínea e produzir uma vasta gama de sintomas que se manifestam principalmente em 5 áreas do nosso corpo:

a) Sistema digestivo - provocando gases, distensão abdominal, diarréia alternada com constipação e múltiplas alergias alimentares.

b) Sistema nervoso - fadiga anormal, dificuldade em se concentrar, confusão mental, irritabilidade e confusão mental, perda de memória, insônia, depressão, tontura, alterações de humor, dores de cabeça, náuseas, sensação de queimação, dormência, entre outros.

c) Pele - psoríase, eczema, sudorese excessiva, acne e infecções nas unhas.

d) Trato genito-urinário - nas mulheres, principalmente tensão pré- menstrual, infecções vaginais recorrentes, e perda da libido. Nos homens inclui prostatite recorrente e impotência.

e) Sistema endócrino - hipo ou hipertireoidismo, principalmente os de origem auto-imune.

O conjunto destes sintomas devido à infecção por cândida pode ser chamado de candidíase polisistêmica.

INFLUÊNCIA DA DIETA

Os fungos crescem com o açúcar, principalmente a lactose. O consumo de grandes porções de carboidratos refinados como balas, chocolates, bolos, biscoitos, pão branco, bebidas alcoólicas e cafeína podem levar a um supercrescimento da cândida. Mesmo o açúcar contido nas frutas e nos seus sucos, se consumidos em excesso, favorecem também o seu crescimento. O excesso de açúcar e de lipídios diminui a fagocitose de leucócitos e a função linfocitária, respectivamente, tornando o ambiente próprio para o seu ótimo crescimento. As deficiências nutricionais frente a uma alimentação desequilibrada e uma função digestiva precária também estimulam o seu crescimento.

Muitos alimentos, mesmo que considerados saudáveis, podem estar grandemente colonizados por fungos e suas toxinas. Estes incluem milho, amendoim, castanha de caju, e coco ralado. Fungos também podem ser encontrados na cevada, centeio, trigo, arroz, milhete e em praticamente todos os grãos de cereais. Uma dieta rica em cereais e oleaginosas contaminadas, portanto aumentam a colonização de fungos no trato digestivo. Animais que se alimentam destes grãos contaminados também tem um crescimento de fungos aumentado e nós, portanto podemos ingerí-los de maneira indireta através do consumo de sua carne. Além disso, esses animais podem ter sido alimentados com antibióticos, o que de alguma forma pode influenciar no desequilíbrio da nossa ecologia intestinal.

A exposição a toxinas ambientais (pesticidas, herbicidas, petroquímicos e metais pesados) também aumenta a sua prevalência. Alguns estudos apontam para uma relação da cândida com uma sensibilidade aumentada ao mercúrio derivado dos amálgamas dentários e com uma prevalência aumentada de alergias alimentares.


TRATAMENTO NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO


A candidíase não pode ser curada somente através das alterações dietéticas propostas, mas estas são de fundamental importância para a eficácia do tratamento antifúngico usualmente empregado. A dieta garante que a cândida não cresça ou que tenha um crescimento insignificante.

O mais importante no que se refere ao tratamento da infecção pela cândida é melhorar a função digestiva e o sistema imunológico, assim a cândida não encontrará ambiente propício para o seu crescimento excessivo.

Frente aos alimentos mais envolvidos no crescimento da cândida, é importante, evitar frutas ricas em açúcar como as desidratadas, frutas, sucos de frutas, alimentos fermentados como cerveja, vinho e queijos, pães e grãos contaminados, produtos de origem animal (principalmente a carne vermelha e de porco, gordura animal, manteiga, leite e outros laticínios), amendoim, pistache, castanha de caju e coco ralado, sementes e alimentos refinados. Evitar a ingestão de champignons, pois eles nada mais são do que uma espécie de fungo que pode proliferar a população intestinal de fungos.

Evitar a ingestão de amendoim ou seu óleo, uma vez que freqüentemente estão contaminados com aflatoxinas e fungos considerados imunossupressores.
Alimente-se com mais peixes e óleos de peixe (ricos em ácidos graxos Ômega 3), alho, cebola,azeitonas, azeite de oliva, hortaliças verdes, ervas, especiarias, semente de linhaça e produtos à base de soja como o tofu e o iogurte.

Alguns suplementos também são indicados como coadjuvantes no tratamento da candidíase:

PROBIÓTICOS: são as bactérias intestinais benéficas que residem no nosso intestino e funcionam como um antibiótico natural contra bactérias patogênicas, vírus e fungos como a cândida. Para isso é importante que estejam em equilíbrio na nossa microflora. O iogurte e outros leites fermentados são fontes naturais de probióticos, mas estes podem ser melhor obtidos através de suplementos de lactobacilos e bifidobactérias. Podem ser utilizados por via oral ou como uso tópico no caso de infecções vaginais recorrentes.

PREBIÓTICOS: como os frutooligossacarídios (FOS), por exemplo. Aconselha-se associa-los ao uso dos probióticos, uma vez que alimentam os lactobacilos, aumentando sua população e assim conferindo maior proteção intestinal.

ÁCIDO CAPRÍLICO: é um ácido graxo de cadeia longa presente no coco. É um potente agente antifúngico.

CEBOLA E ALHO: são efetivos no combate tanto da cândida quanto de parasitas. Devem ser consumidos na forma crua ou em suplementos de óleo ou extrato de alho. O processamento do alho em cápsulas provoca perda de parte de sua atividade antifúngica. A alicina é o elemento essencial no óleo de alho, responsável pelas propriedades terapêuticas antibacterianas, antiinflamatórias e antifúngicas. Utilizar diariamente durante 1 a 3 meses.

ÓLEOS: O óleo de peixe tem atividade antifúngica comprovada, havendo também benefícios através da ingestão de peixes como truta, salmão, sardinhas, atum e bacalhau por pelo menos 3 vezes/semana. O óleo de prímula, de borage e groselha preta são ótimas fontes de Omega 6. Óleo de semente de linhaça é boa fonte de ácidos graxos Omega 3 e 6. Todos estes óleos tem propriedades antifúngicas. Destaca-se neste grupo o óleo de orégano por suas propriedades antibacterianas, antifúngicas, antiparasíticas e antioxidante.

ALOE VERA GEL: assim como a espirulina ou clorela têm ação no combate a cândida, principalmente devido ao seu efeito estimulante sobre o sistema imune. Além de suas propriedades antioxidantes e antiinflamatórias.

VITAMINAS/MINERAIS: o sistema imune necessita de alguns nutrientes para o seu bom funcionamento como a vitamina A, beta caroteno, vitamina E, iodo, selênio, zinco, ácido fólico e biotina. Esta última é uma das vitaminas do complexo B, e também tem atividade evitando a conversão da cândida na sua forma mais invasiva.

ALGAS MARINHAS: são ricas em selênio e iodo que têm atividade de inativar os fungos. Antes do advento das drogas antifúngicas o iodo era o "remédio" mais potente contra a cândida e outros fungos.

OBS: Para maiores esclarecimentos consulte um nutricionista, para que ele possa direcionar melhor o seu tratamento e assim garantir o fim dos seus problemas!

PATRICIA DAVIDSON HAIAT

Nutricionista